das singelezas outonais

maio 11

das singelezas outonais

Hoje, num arranha-céu de saudades, feito estrelas que passeiam pelo universo, escorreu outono pela minha janela. E de longe, feito um pretérito nostálgico, avistei as flores que eram banhadas pela chuva… Chuvas de outono com aromas de inverno. Chuvas coloridas. Gotas de sentimento! Chove estrelas, e a derme abraça o outono que reinventa cores nostálgicas pela madrugada… Suzana Martins – 05/2017...

Read More

Ilusão

dez 12

Ilusão

Quero apenas um gesto, um olhar, um suspiro… Quero apenas uma palavra ou, simplesmente uma linha daquele teu poema. Quero sentir cada verso teu, e mesmo não sendo meus, na minha doce ilusão, quero absorver todas as tuas palavras que, num imaginar profundo, penso serem escritas para o meu deleite. Quero desejar-te. Sonho sussurrar versos para ti. Quero um poema teu na ilusão do meu sentir! Suzana Martins –...

Read More

das palavras sentidas

set 25

das palavras sentidas

De agora em diante escreverei carta de amor, sonetos de saudade e todas as teorias impossíveis de um sentimento real no imaginário do ser… Hoje, somente hoje, escreverei folhas ao avesso. Amanhã, talvez, estarei à sua janela numa serenata de versos clichês… De agora em diante serei eternamente sua num verso que tu modelas com as próprias mãos… Suzana Martins –...

Read More

(re)descobertas

jul 26

(re)descobertas

Aos poucos adapto-me aos mesmos lugares; aos poucos acostumo com a solitária letra, aquela, que escorre entre os olhos. Aos poucos redescubro-me fora de mim. Pouco a pouco, bem devagar, redescubro-me do lado de dentro, no íntimo daquele mundo, que rabisquei antes de partir. As minhas asas? Quebraram antes que eu pudesse sair do casulo. (*) Suzana Martins – 08/2016 (*) fragmento editado em agosto de 2016, fragmento original foi escrito em 08/2011 e publicado no blog Nostra Dolce Vita...

Read More

Sobre a chuva

jan 14

Sobre a chuva

A chuva veio rasgou as árvores levou a luz molhou a terra rodopiou tempestades. A chuva veio deixou o vento levou o lamento. A chuva veio enquanto eu brincava com o tempo… Suzana Martins – 01/2015 Imagem:...

Read More

palavras partidas

jan 09

palavras partidas

Rasgou, Sangrou, Feriu… Tal qual flecha no peito, Com ilusões perdidas, Deixou o verso ferido… Rasgou… As palavras silenciosas Rasgaram os versos E aquelas esperanças Sem verdadeiras intenções… Feriu… No avesso do coração Há sempre uma ferida aberta Sem qualquer metáfora amorosa… Sangrou… O verso é sempre Um pulsar sangrando Notas desafinadas. Rasgou, Feriu, Sangrou, Nunca mais pulsou… Suzana Martins – 01/2016 Imagem:...

Read More

Aceitas-me

jan 06

Aceitas-me

Revelo-me agora, por inteira, Sem trégua, sem medo. Revelo o meu segredo, O meu querer, O meu desejo… Revelo-me a ti! Peço pelo teu beijo, Peço teu sexo… Entrego-me a este desejo Sem medo, sem pudor! Peço! Despeço! Imploro pelo teu sexo, Sem nexo! Convexo! Disperso… Revelo-me agora, por inteira, Sem medo… Entrego-me a ti, Peço: aceitas-me… Suzana Martins – 01/2016 Foto: Paolo...

Read More
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.